Festival de Cinema de Gramado

FESTIVAL DE CINEMA DE GRAMADO

O Festival de Cinema Gramado é um dos mais importantes festivais de cinema do Brasil e de toda a América Latina.

 

Conta com participações de filmes em longa-metragem nacionais e internacionais e filmes em curta-metragem.

 

Uma Breve História do Festival de Cinema de Gramado

 

A primeira edição do Festival de Cinema de Gramado aconteceu em janeiro de 1973, passando a realizar-se todos os anos.

 

As primeiras edições foram marcadas pelo sensacionalismo, simplicidade e a presença das estrelas que disputavam a fama na serra gaúcha.

 

Paralelamente, a disputa pelo Kikito – o Deus da Alegria – animava os debates, criava polêmicas e transformava a criação cinematográfica nacional no único assunto de artistas, realizadores, estudiosos de cinema, imprensa e público em geral.

 

O Festival de Cinema de Gramado firmou-se em tempos políticos duros – os anos 70 – driblando a censura e provando que era possível subverter o cotidiano difícil através da arte.

 

Desde então, Gramado transformou-se num palco que traduz as glórias e crises do cinema nacional.

festival de cinema de gramado abertura

 

Festival de Cinema de Gramado se torna o maior do país

 

A partir dos anos 80, com o aprimoramento das discussões sobre arte e cultura nos espaços do Festival de Cinema de Gramado, o evento conquistou naturalmente o título de um dos maiores do gênero no país.

 

Reunindo um grande número de filmes e de pessoas que querem falar de cinema, criação, sonhos e possibilidades de fazer sempre mais e com qualidade, o Festival de Cinema de Gramado é hoje um espaço indispensável para a divulgação, discussão, crítica e incentivo à criação cinematográfica nacional.

 

Desde os anos 90 o Festival de Cinema de Gramado se internacionalizou e abriu espaço para filmes de todos os cantos do mundo fazerem parte da programação e da disputa pelos Kikitos.

festival de cinema de gramado entrada

 

O Festival de Cinema de Gramado conta com programação aberta ao público e tem diversão para todos os tipos de pessoas.

 

Para quem quer ver bons filmes, é só consultar a programação e comprar os ingressos.

 

Para quem prefere curtir a proximidade com artistas e diretores, é só ficar nas proximidades do Cinema e da Rua Coberta que eles estão sempre circulando por lá.

 

PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL DE CINEMA DE GRAMADO

Quando: de 17 de agosto a 26 de setembro de 2017.

Programação do Festival de Cinema de Gramado 2017:

45º FESTIVAL DE CINEMA DE GRAMADO

Filmes em Competição

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS

– “A Fera na Selva” (RJ), de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel

– “As Duas Irenes” (SP/GO), de Fábio Meira

– “Bio” (RS), de Carlos Gerbase

– “Como Nossos Pais” (SP), de Laís Bodanzky

– “O Matador” (PE), de Marcelo Galvão

– “Não Devore Meu Coração!” (RJ), de Felipe Bragança

– “Pela Janela” (Brasil/Argentina), de Caroline Leone

 

LONGAS-METRAGENS ESTRANGEIROS

– “Los Niños” (Chile/Colômbia/Holanda/França), de Maite Alberdi

– “Pinamar” (Argentina), de Federico Godfrid

– “El Sereno” (Uruguai), de Oscar Estévez & Joaquín Mauad

– “Sinfonía para Ana” (Argentina), de Virna Molina e Ernesto Ardito

– “El Sonido de las Cosas” (Costa Rica), de Ariel Escalante

– “La Ultima Tarde” (Peru), de Joel Calero

– “X500” (Colômbia/Canadá/México), de Juan Andrés Arango

 

CURTAS-METRAGENS BRASILEIROS

– “feique” (RJ), de Alexandre Mandarino

– “A Gis” (SP), de Thiago Carvalhaes

– “Cabelo Bom” (RJ), de Swahili Vidal

– “Caminho dos Gigantes” (SP), de Alois Di Leo

– “Mãe dos Monstros” (RS), de Julia Zanin de Paula

– “Médico de Monstro” (SP), de Gustavo Teixeira

– “O Espírito do Bosque” (SP), de Carla Saavedra Brychcy

– “O Quebra-cabeça de Sara” (RJ), de Allan Ribeiro

– “O Violeiro Fantasma” (GO), de Wesley Rodrigues

– “Objeto/Sujeito” (SP), de Bruno Autran

– “Postergados” (SP), de Carolina Markowicz

– “Sal” (SP), de Diego Freitas

– “Tailor” (RJ), de Calí dos Anjos

– “Telentrega” (RS), de Roberto Burd

 

CURTAS-METRAGENS GAÚCHOS (Prêmio Assembleia Legislativa)

“10 Segundos” (Canoas), de Thiago Massimino

“1947” (Porto Alegre), de Giordano Gio

“Através de Ti” (Santa Cruz do Sul), de Diego Tafarel

“Bicha Camelô” (Pelotas), de Wagner Previtali

“Cores de Bissau” (Porto Alegre), de Maurício Canterle

“Gestos” (Porto Alegre), de Alberto Goldim e Júlia Cazarré

“Kátharsis” (Caxias do Sul), de Mirela Kruel

“Luna 13” (Porto Alegre), de Filipe Barros

“Mãe dos Monstros” (Porto Alegre), de Julia Zanin de Paula

“Secundas” (Porto Alegre), de Cacá Nazario

“Sena, Os Fios em Prosa” (Porto Alegre), de Marcelo da Rosa Costa e Cacá Sena

“Sob Águas Claras e Inocentes” (Porto Alegre)”, de Emiliano Cunha

“Solito” (Porto Alegre), de Eduardo Reis

“Telentrega” (Porto Alegre), de Roberto Burd

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *